segunda-feira, 3 de setembro de 2018

CAPÍTULO 16 - BECAUSE THE NIGHT


MÚSICA QUE INSPIROU O CAPÍTULO:



Andando dentro daquele quarto de hotel de um lado para o outro, Mirella riu de si mesma. Fazia muito tempo desde a última vez em que se vira assim, trêmula por dentro. Impaciente, ansiosa, desejando a presença de alguém tão desesperadamente.
Quando ela finalmente chegou, se reconheceu em seus olhos, estavam do mesmo jeito. Numa sintonia que ia além, a ponto de Amanda dizer o que Mirella ia falar, primeiro:
- Que bom que você veio.
Sorriram uma para a outra, Amanda estranhando o fato de Mirella permanecer muda, olhando-a apenas. Tomou a iniciativa novamente:
- Vamos conversar?
O sorriso de Mirella aumentou, adquiriu um brilho que pareceu iluminar o cômodo inteiro:
- Eu só tenho uma única coisa pra te dizer.
Avançou e parou a centímetros dela:
- Não consigo parar de pensar em você.    
Acariciou o rosto de Amanda, fazendo-a estremecer e admitir:
- Eu tentei.
Pousou a mão no ombro de Mirella, escorregou os dedos com a mais doce e suave sensualidade pelo braço dela e soprou, arrepiando-a inteira:
- Inutilmente.
Mirella a segurou pela cintura e a puxou para si com gentileza. Aproximou a boca, mas não a beijou. Usando a dificuldade que os corpos colados produziam a seu favor, sussurrou:
- Eu quero você.
Amanda sustentou a sinceridade intensa e arquejante no olhar de Mirella, a respiração, o coração e a pulsação se alterando ainda mais quando respondeu:
- Eu também quero você.
Quando os lábios se encontraram, as duas tremularam juntas, Amanda com os braços ao redor do pescoço de Mirella e Mirella abraçando-a, uma das mãos subindo pelas costas e a outra descendo até a bunda, pressionando os corpos um contra o outro com firmeza. Amanda foi a primeira a procurar pele por baixo das roupas. Deslizou as mãos por dentro da regata de Mirella e logo depois a levantou e tirou. Deliciou-se com a maneira imediata que os seios dela endureceram em suas mãos. 
Mirella desceu a boca pelo pescoço de Amanda provocando um frenesi de frio e calor. Usando apenas uma das mãos, mostrando uma destreza incrível, que Amanda admirou, abriu os botões da frente do vestido dela e colocou um dos seios na boca. Amanda aproveitou para acariciar o corpo de Mirella, desceu as mãos, dos seios para o estômago e barriga, ao desabotoar a calça jeans que ela estava usando, pensou: “estou louca por essa mulher”. 
Antes que pudesse concretizar sua intenção, de enfiar a mão e tocá-la mais intimamente, Mirella segurou seus pulsos e colocou os braços de Amanda ao redor do pescoço dela de novo. Amanda não teve tempo nem vontade de protestar, pois uma fração de segundo depois, as duas mãos de Mirella a seguraram pelas nádegas, conduzindo um movimento de fricção enlouquecedor enquanto mordia o bico de um dos seios, segurando-o entre os dentes. Lambeu e sugou, fazendo Amanda se entregar completamente ao momento de paixão avassaladora, sem se importar com o fato de que, com uma rapidez frenética, já estava quase atingindo o clímax.
A língua de Mirella se enfiou em seu ouvido, Amanda se contorceu nos braços dela, se arrepiou inteira quando ouviu o que Mirella soprou:
- Você está me enlouquecendo gemendo desse jeito...
Mirella não estava mentindo, absolutamente. O que Amanda despertava, em todos os seus sentidos - não só com os sons que emitia, mas com o cheiro, o gosto, a pele, o rosto, o corpo, ela inteira - estava mergulhando-a na mais intensa e profunda perda da razão. Qualquer pretensão de ir devagar caiu inteiramente por terra. Sem tirar o seio de Amanda da boca, puxou a calcinha dela para baixo e a fez cair no chão. 
Um gemido muito mais alto que os anteriores escapou da garganta de Amanda quando os dedos de Mirella deslizaram em seu sexo. Mirella também gemeu:
- Tão deliciosa... Toda molhada pra mim... 
Inteiramente trêmula e ofegante, Amanda confessou:
- Foi só olhar pra você.
Sem parar de acariciá-la, com a mão livre Mirella segurou e guiou a mão de Amanda por dentro do seu jeans e de sua calcinha, para que a sentisse: 
- Eu também.
Assim que Amanda tocou o calor úmido, tão abrasador quanto o seu, não conseguiu mais se conter. Explodiu, tremulando e pulsando nos dedos dela, num prazer tão febril, profundo e veemente quanto a voz de Mirella em seu ouvido:
- Ai, que gostosa... Isso... Goza pra mim, linda...
As pernas de Amanda bambearam, quase não foi capaz de se manter de pé, integralmente perdida na força do orgasmo que Mirella orquestrara com uma facilidade que beirava a maestria. 
Enquanto segurava Amanda em seus braços, amparando-a para que não caísse, Mirella se deu conta de que ainda nem tinham chegado na cama. Pensou: “como ela é intensa!”
Beijou Amanda na boca de uma maneira inteiramente ardente e apaixonada e, ao ser instantaneamente correspondida, não teve dúvidas de que ela não precisava de tempo algum de recuperação. Completou o pensamento anterior com um trecho de uma de suas músicas preferidas de Ana Carolina: “É dessas mulheres pra comer com dez talheres”, com um sorriso voluptuoso que não lhe saiu mais do rosto.
Terminou de se despir e de despi-la - não sem ajuda -, puxou-a para a cama e encaixou-se sobre ela. Amanda enfiou os dedos nos cabelos de Mirella, acariciou o pescoço, a nuca e os ombros dela, desceu as mãos pelas costas, segurou-a pelas nádegas, puxando-a mais para si e aumentando o roçar vertiginoso dos ventres, das coxas, dos sexos... Falou dentro de seu ouvido, entre gemidos:
- Ai, assim... Bem assim... Eu vou gozar de novo...
Promessa que cumpriu, com uma intensidade e um arrebatamento ainda maiores do que os de antes, pela satisfação plena de ver e sentir Mirella acompanhando-a no auge do prazer. Gozaram juntas dessa vez.
Teria se contentado em ficar ali, quietinha nos braços dela, mas quando Mirella se moveu, ajeitando melhor o corpo para não pesar, foi como jogar gasolina em uma fogueira. 
Mordeu o ombro de Mirella de leve, subiu pelo pescoço, adorando fazê-la se arrepiar inteira. Empurrou-a com força suficiente para que ela rolasse e se deitasse ao seu lado de costas na cama e, depois, lançou-se sobre ela. Mirella riu:
- Estou impressionada.
Amanda desceu a mão direita entre os corpos, buscando e encontrando o sexo de Mirella, acariciando-a e imediatamente constatando:
- E encharcada...
Entre gemidos e beijos, Mirella respondeu:
- Pelo visto... Com você isso vai ser... Uma constante.
A risada de Amanda estava repleta do mais autêntico contentamento: 
- Se depender de mim, com certeza.
O segundo de distração serviu para que Mirella a virasse e trocasse de lugar com Amanda novamente. Tentou protestar:
- Mirella...
Inutilmente. Com a habilidade que Amanda ainda não tinha provado completamente, Mirella desceu, passeando as mãos, a boca e a língua de forma enlouquecedora pelo corpo dela. A única coisa que Amanda conseguiu fazer foi render-se, obedecendo ao que lhe foi deliciosamente exigido:
- Abre.
Deixou que Mirella a chupasse e penetrasse, devorando-a com a língua e com os dedos, levando-a a um orgasmo inacreditavelmente longo, pleno e derradeiro, com o nome dela suspirado e gemido, alto e em seus pensamentos, incansavelmente, milhares e milhares de vezes.


Mirella ergueu a cabeça e o corpo, ficou ajoelhada entre as pernas de Amanda, tirou os dedos de dentro dela bem devagar e com cuidado, depois os levou à boca e os sugou com gosto.
- Deliciosa.
O gesto e o sorriso igualmente irresistível que Mirella lhe lançou fez Amanda recobrar a necessidade de tocá-la. De joelhos na frente dela, a beijou apaixonadamente. Foi integralmente correspondida, as mãos de Mirella percorreram suas costas, uma delas descendo em direção às nádegas e a outra subindo até a nuca, numa repetição do início que levou Amanda a acreditar que as levaria ao mesmo desfecho. Deixou escapar uma interjeição em protesto quando Mirella afastou os lábios, interrompendo o beijo. 
- Vamos pedir algo pra comer? Estou faminta.
Riu ao ouvir aquilo, pois só mostrava o quanto estavam em sintonia:
- Também estou. Que tal uma pizza?
Mirella também riu:
- Acho ótimo. 
Voltaram a se beijar, ambas deliciadas com a facilidade e a leveza com que tudo estava fluindo. Depois, Amanda saiu da cama, pegou o celular na bolsa, olhou para ela e perguntou – de um jeito que Mirella achou encantador:
- Posso pedir?
A resposta foi imediata:
- Deve. 
Já de pé, Mirella parou na frente de Amanda e a beijou antes de falar:
- Vou tomar uma chuveirada enquanto isso.
Sem deixar de apreciar a nudez de Mirella enquanto ela caminhava em direção ao banheiro, Amanda indagou:
- Alguma preferência de sabor?
Mirella parou na porta do banheiro e se virou para Amanda com um sorriso que a deixou ainda mais encantada e seduzida - se é que isso era possível:
- Vou gostar do que você escolher. 
Quando se viu sozinha no quarto, Amanda levou as mãos à cabeça e rodou sobre si mesma, rindo. Deixou escapar um suspiro extasiado: “Nossa, ela é perfeita!”
Só então percebeu que tinha acabado de reproduzir sua reação favorita de Hermione Granger, no Baile de Inverno em "Harry Potter e o Cálice de Fogo", o que a levou a se corrigir, desta vez baixinho ao invés de apenas em pensamento:
- Muito mais do que perfeita!
Depois de escolher três sabores - coisa que foi extremamente difícil - bem distintos, para não ter como errar, aproveitou para mandar uma mensagem para Juliana. Já tinha deixado a irmã de sobreaviso, apenas confirmou que não voltaria para casa aquela noite e ela imediatamente assegurou: “Eu te cubro, deixa comigo”.
Com a mesma rapidez com que se despediu, atirou o celular na cama.
Entrou no banheiro, abriu o box  e parou. Mirella estava de olhos fechados, enxaguando os cabelos, permitindo que Amanda a admirasse de verdade, por inteiro. Olhou-a de cima a baixo, inteiramente fascinada e atraída por ela. Perceber a força dos próprios sentimentos a fez balançar na traiçoeira corda bamba da insegurança e do medo, pois era precipitado, vertiginoso, instantâneo e intenso demais para não lhe trazer sofrimento. 
No entanto, sabia que isso não era necessariamente a verdade, mas apenas o que a experiência anterior a levava a concluir. Afastou os pensamentos tóxicos e comunicou - em parte para justificar a demora, em parte para ver a reação de Mirella:
- Avisei que não vou dormir em casa hoje. 
Todo o resto pareceu ridículo quando Mirella a olhou e, com um sorriso que Amanda achou deslumbrante, estendeu a mão chamando-a.
Quando Amanda segurou sua mão e entrou no box, Mirella a abraçou e beijou, com paixão, é claro, mas havia algo mais, que fazia anos - tantos que achava que era algo extinto dentro dela - que não sentia por ninguém. Desde que Liliane tinha morrido. A perda do primeiro e único amor de sua vida a deixara imersa no mais profundo e absoluto vazio. E agora aquela mulher - tão jovem que tinha de idade apenas dois anos a mais do que Liliane de falecida - estava em seus braços e a única coisa que Mirella desejava era que ela continuasse ali. A percepção de que não possuía motivos nem explicação racional para aquilo a fez compreender, enfim. Nem pensou em recuar, muito menos recusar ou esconder o que sentia. Pelo contrário, precisava expressar, deixá-la saber e ter certeza. Não perderia tempo, sequer o momento. Escorregou os lábios pelo rosto de Amanda, até chegar no ouvido. Soprou:
- Amanda...
Afastou-se o suficiente para fitá-la:
- Preciso te dizer uma coisa.
Durante a pausa que se seguiu, Amanda parou de respirar, tentando antecipar o que seria e temendo o mais provável: que fosse algo que não queria nem gostaria de ouvir. Esperava por tudo, menos o que Mirella afirmou, sem tirar os olhos dos dela:
- Estou apaixonada por você.
Havia uma emoção genuína na maneira como, sem hesitação alguma, Amanda correspondeu:
- E eu por você. 
Lançou para Mirella um sorriso límpido, repleto da mais pura e sincera felicidade:
- Mas eu não ia te dizer por que... Achei que você não ia acreditar, que ia se assustar ou pensar que eu estava me precipitando ou confundindo as coisas...
Inteiramente ofuscada por ela, Mirella também riu:
- É, talvez eu pensasse tudo isso... Se eu não sentisse o mesmo.
Puxou-a ainda mais para si, gemeram juntas quando Mirella subiu as mãos, da cintura para as costas de Amanda, depois voltou a descê-las, acariciando e encaixando os dois corpos de uma forma deliciosa, que mesclava perfeitamente tesão e delicadeza. Nenhuma das duas saberia dizer quanto tempo ficariam ali daquele jeito - pulsações e respirações unidas, aceleradas no mesmo andamento - se as batidas na porta não as interrompessem.
- Deve ser a nossa pizza.
Amanda não permitiu que Mirella saísse do chuveiro:
- Deixa comigo.
Ao contrário do que esperava, Mirella não se opôs:
- Tudo bem.
Enquanto se vestia, abria a porta, pegava e pagava a pizza, a única coisa que Amanda conseguiu pensar foi no quanto Mirella era magnífica. 
Voltou para o banheiro determinada, colou o corpo no de Mirella - fazendo-a parar de enxugar os cabelos - e a beijou de um jeito absolutamente apaixonado. Foi correspondida na mesma medida, a intensidade obrigando-as a se separarem para poderem respirar. Amanda aproveitou para lançar: 
 - Quer ser minha namorada?
O brilho no olhar de Mirella refletiu, buscou e mergulhou no de Amanda segundos antes dos lábios fazerem o mesmo. 
No entanto, não era ação que Amanda queria, precisava de palavras, queria ouvir, ter seu pedido respondido, era a única forma de dirimir a incerteza e a incredulidade que a afligiam, pois uma mulher como Mirella ainda lhe parecia um sonho, uma ilusão, um desejo inatingível. 
Não foi difícil para Mirella perceber, podia sentir Amanda perfeitamente. Para não deixar nenhuma dúvida, garantiu:
- Sim, é claro que sim.
O beijo que se seguiu foi ainda mais ardente e veemente, levou-as a um inevitável e total esquecimento do mundo - que começou no banheiro e terminou na cama -, uma na outra, como se nada mais existisse. 
Foi só muito depois que afinal comeram a pizza, sem se importarem com o fato de já estar completamente fria.


COMEÇA AMANHÃ!!! 
a partir das 18h no site da Editora Vira Letra: 

O que você faria se o primeiro e único amor da sua vida te procurasse... 25 anos depois?


O INFINITO EM DUAS VOLTAS - versão impressa (livro) e digital (ebook). 
A partir das 18h do dia 01 de novembro de 2018 no site da Editora Vira Letra: 



CONTINUA NA PRÓXIMA 2a FEIRA...
OU ANTES, SÓ DEPENDE DE VOCÊ.
INFORMAÇÕES ABAIXO:


A fórmula vocês já conhecem, mas só para lembrar:

- Qualquer leitor@ pode fazer a doação no valor de R$ 10,00 ou mais.

- A doação é voluntária, tod@s podem ler, participando ou não. Ou seja: não precisa doar para ler, pode ler sem doar.


- Como atingimos as 100 cotas de R$ 10,00, ou total de R$ 1.000,00 reais, as postagens agora serão duas vezes por semana, ou seja, teremos 2 capítulos por semana, às 2as e 4as feiras às 18h.

- Se atingirmos 150 cotas de R$ 10,00, ou total de R$ 1.500,00, serão postados três capítulos por semana.

200 cotas de R$ 10,00, ou total de R$ 2.000,00 = quatro capítulos por semana. 
250 cotas de R$ 10,00, ou total de R$ 2.500,00 = cinco capítulos por semana. 
300 cotas de R$ 10,00, ou total de R$ 3.000,00 = a história será postada inteira.

As doações serão revertidas para os próximos projetos da autora (que são muitos!)

Para colaborar basta clicar no botão abaixo: 










Clique no botão acima para fazer a sua contribuição.


A AUTORA AGRADECE IMENSAMENTE 
A SUA COLABORAÇÃO!



.
OBS IMPORTANTE:   Se preferir fazer a sua contribuição por transferência bancária ou depósito na conta da autora, por favor entre em contato:




RECAPITULANDO:
Postagens 2as e 4as feiras às 18h

Se atingirmos:
150 cotas = postagens 3x por semana
200 cotas = 4x por semana
250 cotas = 5x por semana
300 cotas = história postada na íntegra


postado em 31 de outubro de 2018 às 18h..

2 comentários:

  1. Nossa, que capítulo!
    Muitos suspiros...
    Confesso que nunca fui com a cara da Amanda, sou a favor do amor maduro e real que Laura e Michele tinham e que Amanda entrou um pouco na história delas pra abalar isso, mas também foi necessário pra fazer as duas passarem por uma mudança necessária no relacionamento e que se fortaleceu depois dos acontecidos.
    Ainda assim, sou a favor do verdadeiro amor, e se Mirela for a pessoa da Amanda, então sei que toda essa "precipitação" está justificada.
    Mais uma vez, Diedra nos fazendo lembrar que a maravilhosa Ana Carolina com suas músicas perfeitas pode se encaixar em tudo e em qualquer história. O que é totalmente compreensível, rsrsrs
    Ótimo capítulo! Adorei!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o cap. finalmente Amanda e Mirella estão ótimas nessa sintonia.
    Um cap. maravilhoso, Amanda agora vai perceber a diferença entre uma
    relação onde é tratada como igual e uma onde era tratada como criança do
    é errado.
    Mto bom Di.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é muito importante!